UEL e demais entidades do estado podem entrar em greve novamente ainda em Julho

14:40 Bruno Cardial 0 Comments


Uma reunião hoje (30/06), pela manhã, entre o Sindicato dos Servidores Públicos Técnico-Administrativos da Universidade Estadual de Londrina, Assuel, o Sindicato dos Professores do Ensino Superior Público Estadual de Londrina e Região, Sindiprol/Aduel, e o deputado estadual Tercílio Turini (PPS), deixou bem clara a possibilidade de greve principalmente dos servidores e professores da UEL ainda neste mês de Julho.

O motivo do retorno de uma grande greve na Universidade é o fato de o governador Beto Richa (PSDB) sinalizar o não pagamento do acordo feito na recente greve no estado, em 2015. Richa quer revogar a lei aprovada logo após a ocupação da ALEP e o "Massacre do Centro Cívico" e deve enviar um novo projeto à Assembleia Legislativa do Paraná, ALEP, ainda esta semana. 

A revogação desta lei é um fato inédito na política administrativa no estado do Paraná.

Saldo da última greve, a lei do reajuste garantiu que além do pagamento referentes à inflação de maio a dezembro de 2015, divididos em 3,45% em outubro de 2015 e 10,67% em janeiro de 2016, o governo pagaria atrasado as perdas do ano de 2016 em janeiro do próximo ano com um adicional de 1% aos servidores, o que agora não deve ser cumprido.

O Deputado Tercílio Turini e as liderança dos dois sindicatos, Assuel e Sindiprol/Aduel, discutiram também o não cumprimento, por parte do governo, do pagamento das progressões e promoções dos servidores estaduais.

Conforme publicado hoje nojornal Folha de Londrina, o Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública (APP-Sindicato) esclareceu que a gestão tucana deve, R$ 262 milhões em progressões e promoções para o conjunto de trabalhadores. Sendo R$102 milhões, débitos com os funcionários e R$ 160 milhões com os docentes. Dívida que chegará a R$ 450 milhões em dezembro.

A única justificativa do Governo do Estado para a criação do novo projeto de lei revogando a lei de acordo é de que não há dinheiro em caixa para arcar com os dois pagamentos, o reajuste dos servidores e as progressões/promoções.
Há dias foi discutida em reunião do secretário da Fazenda, Mauro Ricardo Costa, com Deputados da base aliada, no Palácio Iguaçu a revogação da lei com o argumento de "O orçamento de 2017 não suportar implantar e pagar as promoções e progressões que estão atrasadas e, ao mesmo tempo, aplicar o reajuste".

A tribuna da ALEP também já foi palco da mesma explanação de deputados governistas que defendem a revogação da lei e devem articular a provação dela assim que entrar em tramitação. O governador Beto Richa já havia esclarecido à imprensa londrinense, dias antes, que está estudando a possibilidade diante uma “crise financeira nacional”, mas ainda há “esforço e a extrema boa vontade”.

Os sindicatos envolvidos chamaram respectivas assembleias e acompanharão o trâmite que deve começar em poucos dias. Se a lei for revogada haverá novamente paralização não somente na UEL, mas em todas as áreas do estado que não receberá o reajustes acordados ou as progressões e promoções.


AO LER NOSSOS POSTS ATENTE-SE AS DATAS, ALGUMAS POSTAGENS SÃO REFERENTES APENAS QUANDO PUBLICADAS