JUVENTUDE E VIOLÊNCIA: da Violação à Garantia de Direitos

08:57 Bruno Cardial 0 Comments


Com o título "JUVENTUDE E VIOLÊNCIA: da Violação à Garantia de Direitos", foi apresentado ontem à tarde, na Câmara de vereadores de Londrina, o relatório parcial da pesquisa que é um projeto multidisciplinar da UEL desenvolvido por professores, estudantes de graduação, pós-graduação e outros colaboradores. 

Um dos materiais mais organizados que temos agora sobre juventude e violência relacionado com o desenvolvimento da cidade, aponta o princípio para ações de políticas públicas mostrando quem é onde estão os adolescentes em conflito com a lei. 
A a análise foi feita à partir de boletins de ocorrência de três anos 2009, 2010 e 2013.

O relatório é extremamente rico em dados de violência sofrida e praticada envolvendo crianças e adolescentes. Nesta pesquisa, é relacionado o jovem com o crime, a violência, a sociedade, com o espaço da cidade e algumas áreas específicas.

Com a coordenação da professora Vera Suguihiro, do Departamento de Serviço Social da UEL, a atividade envolve também os cursos de Arquitetura e Urbanismo, Direito, Educação Física, Geografia, Jornalismo e Relações Públicas, tento uma parceria do curso de Psicologia da PUC.

A proposta, elogiada por todos os vereadores presentes, é que estes dados repassados ao poder público sirvam de base para a criação de soluções concretas de políticas públicas eficientes de combate às atividades ilícitas desde a formação educacional de base e não apenas as de repressão.

O projeto segue em atividade e não deixa de evoluir, a intenção do grupo da Universidade é continuar criando o comparativo com anos mais recentes, que envolvem inclusive o desenvolvimento de novos bairros e regiões da cidade de Londrina.

A única parte frustrante foi ver o quorum da Câmara Municipal interessada em conhecer e debater este assunto tão importante à sociedade. Menos de 50% dos vereadores acompanharam a apresentação.


AO LER NOSSOS POSTS ATENTE-SE AS DATAS, ALGUMAS POSTAGENS SÃO REFERENTES APENAS QUANDO PUBLICADAS